/ governosp

Publicações | Criação Literária

A ciência como thriller

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Em "Confissões de um Jovem Romancista" (2011), Umberto Eco lembra um trauma em sua carreira de pesquisador, quando foi acusado de má conduta científica na banca de seu doutorado. Ao narrar a história de sua pesquisa como se fosse um romance policial, Eco foi menosprezado como cientista por um dos arguidores – um professor que, sem saber, inspiraria o modus operandi de quem se tornaria um grande escritor e semiólogo trazendo, em todos os seus trabalhos acadêmicos, nada mais que “o relato de uma busca por algum Santo Graal”, motivado pela tenaz convicção de que “toda obra científica deve ser uma espécie de thriller”.

Partindo desse pressuposto sedutor, a oficina "A literatura como ciência e a ciência como literatura" procurou estimular o diálogo entre esses dois campos do conhecimento, numa época em que paira sobre ambos a mesma ironia capciosa: em plena pandemia da Covid-19, quando a ciência tem nos ajudado a enfrentar o vírus com suas descobertas e os livros voltaram a ser nossos companheiros no isolamento social, a ignorância humana se tornou tão nociva a ponto de causar a morte de milhões de pessoas ao redor do mundo, vítimas diretas ou indiretas do negacionismo de parte de nossa sociedade e governantes.

No mesmo ritmo com que médicos tentam ressuscitar pacientes entubados na linha de frente de hospitais, laboratórios tentam produzir vacinas a toque de caixa e infectologistas vêm a público para nos alertar da importância do uso de máscaras e do distanciamento, notícias falsas circulam minimizando o impacto da doença e propondo tratamentos comprovadamente ineficazes. Ao passo que nunca se venderam tantos livros pela internet, nesse mesmo espaço contemplamos, atônitos, a insurgência de discursos que parecem se voltar contra o saber e a cultura, trocando bibliotecas por fogueiras, livros por armas, arte por violência.

No centro desse thriller, por vezes uma distopia insana, nada fascinante de se acompanhar, a palavra jaz como esse Santo Graal que a humanidade está constantemente buscando, em páginas de uma história que vai sendo escrita e que é também, a seu modo, uma batalha pelo controle de narrativas, produzindo heróis e vilões, protagonistas e coadjuvantes, textos e notas de rodapé. Cabe a nós, mulheres e homens, acreditar na palavra, ainda que numa era em que a sua falência tem gerado tantos ruídos. Ou, como diria o poeta espanhol Alberto Juarroz:

O serviço que se pede ao homem

É nada mais que continuar a narração,

Com qualquer argumento,

Ou também sem nenhum.

Por Tiago Germano

Veja, a seguir, textos produzidos como resultado da oficina “A literatura como ciência e a ciência como literatura”, ministrada em maio pelo escritor Tiago Germano, dentro da programação da Biblioteca de São Paulo

Melissa Mel

Patricia Dias

Patrícia Orestes

Tiago Germano é mestre e doutor em escrita criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atua como consultor, é resenhista da plataforma de leitura Goodreads e assina uma coluna no suplemento literário Correio das Artes. É autor da coletânea de crônicas "Demônios Domésticos" (2017), indicada ao Jabuti, e do romance "A Mulher Faminta" (2018).

Leia também

O peso da caneta

Certa vez perguntei à minha mãe como ela fazia para viajar. E dela ouvi: “Ué, eu observo tudo ao meu redor. Quando o ônibus para eu olho quem é o motorista, a cor, vejo quem sentou do meu lado...” Desse modo não se perde. Contou-me que tal modo de viajar aprendera com seu pai. A pergunta, apa...

Leia Mais!
Oficina apresenta peculiares conexões entre analfabetismo e livros

Ensinamentos e debates sobre as peculiares conexões entre o analfabetismo e os livros guiaram a oficina on-line “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, que aconteceu aos sábados, dias 10, 17, 24 e 31 de julho, integrando a programação da Biblioteca de São Paulo. Com condu...

Leia Mais!
Saiba mais sobre a marca do indianismo na literatura brasileira

Conduzida pelo professor Fábio Martinelli Casemiro, a oficina online "Indianismos na Literatura Brasileira", realizada em junho na programação da Biblioteca Parque Villa-Lobos, traçou panorama da presença, destacou importância e assinalou marcas da cultura indígena nos textos literários. A prim...

Leia Mais!
O sujeito indígena na literatura

A partir do século XVI, a figura do indígena vira um dos objetos preferidos entre aqueles que aqui aportavam. Uma curiosidade enorme sobre aqueles corpos descobertos, exibindo saúde e beleza superiores aos europeus, enfiados em roupas desenhadas para abafar pudores e falta de banho. Carcomidos pelo ...

Leia Mais!
A ponte que aproxima a ciência e a literatura

A gênese das teses científicas e dos textos literários é comum. As sementes que fazem brotar as narrativas em ambas as situações são indagações, questionamentos, curiosidades, dúvidas. Tal premissa provoca espanto, principalmente para quem está habituado ao pensamento estanque e categorizado...

Leia Mais!
Canções e fábulas foram referências para a oficina online de minicontos

Canções, fábulas e minicontos foram alguns dos materiais que os professores Milena Mulatti Magri e Gustavo Scudeller compartilharam com os participantes durante a oficina online "Personagens do trabalho", que aconteceu em março deste ano. O objetivo dos encontros foi promover uma reflexão sobre o ...

Leia Mais!