/ governosp
Sobre o jogo da poesia - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Criação Literária

Sobre o jogo da poesia

Ilustração: Fernando Siniscalchi

Na oficina de criação literária “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, exploramos novas possibilidades de escrita poética a partir do diálogo com diversas práticas lúdicas e esportivas. Tomando como ponto de partida as atividades criativas do grupo Oulipo (formado por Raymond Queneau, Italo Calvino, Georges Perec e diversos outros escritores), propus uma série de jogos verbais com o intuito de desenvolver a capacidade imaginativa, crítica e construtiva dos participantes. Os dois primeiros encontros foram dedicados a elementos cruciais do texto poético: o ritmo e a imagem. Nos outros dois encontros, aventuramo-nos em jogos com a ficcionalização da voz lírica e com a recriação de textos já existentes.

Cada encontro se estruturou a partir da exposição de alguns pressupostos básicos, ilustrados por textos de autores de diversos locais e épocas (da Grécia clássica ao Japão do século XVIII; da Provença medieval ao Brasil contemporâneo), seguida pela proposição de exercícios de criação. A princípio, a ideia de que determinadas regras (ou restrições) poderiam estimular a criatividade soou como contraintuitiva para os participantes da oficina; no entanto, à medida que eles se dedicavam aos exercícios, logo descobriram que (assim como acontece na prática esportiva) as restrições ampliavam suas possibilidades criativas, forçando-os a pensar em alternativas que não teriam considerado caso se vissem completamente livres para escrever de qualquer forma sobre qualquer assunto.

Respeitando o ritmo de cada participante (alguns escreviam vários poemas em poucos minutos; outros preferiam fazer esboços que depois seriam desenvolvidos no período de uma semana entre cada encontro), conseguimos reunir uma coleção de textos variados, inventivos e vigorosos: haicais sintéticos e poemas que se estendiam por três páginas; textos metrificados e rimados, poemas em verso livre; poemas escritos a partir de outros textos ou de experiências individuais...

Uma parte fundamental de cada encontro foi a partilha dos textos entre os participantes, feita num ambiente de camaradagem e respeito mútuo, em que algumas sugestões foram decisivas para a forma final dos poemas. Fiquei particularmente tocado pelo empenho dos participantes, que levaram a sério todas as atividades propostas e se mostraram abertos para se transformarem através da escuta e da leitura da voz dos outros poetas, compreendendo suas vozes singulares como frutos de um diálogo contínuo com a tradição literária e com a sociedade contemporânea. 

Por Marco Catalão


Veja, a seguir, textos poéticos produzidos durante a oficina “A poesia do jogo ҉ O jogo da poesia”, realizada por Marco Catalão na Biblioteca Parque Villa-Lobos, em maio de 2020:

Caio Girão - A hora do estupro

Cibelle Santos - Sem título (1)

Cibelle Santos - Sem título (2)

Diana Vanderlei - Nymeria

Diana Vanderlei - Sem título

Sabrina Silva - Sem título (1)

Sabrina Silva - Sem título (2)

Thaís Giammarco - Sem título

Thiago Ballestero - A pena

Thiago Ballestero - Sem título



Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp, ele é autor de "No cravo e na ferradura", "O cânone acidental", "Agro negócio", "Sob a face neutra" e "As asas do albatroz". Entre 2015 e 2019, fez pós-doutorado em Teoria do Teatro pela USP com estágio na Université Sorbonne Nouvelle. Em 2018 e 2019, recebeu o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária.

Leia também

Doce e amargo, preto como café

Para alguns, tomar café é apenas um ato de tomar café, que, aliás, é bom até no calor. Outro dia, porém, um amigo me confessou que, quando criança, ouvia da avó o alerta para que não tomasse muito café, ou ficaria preto. E ele parou de tomar café. Tamanha foi a força da advertência da ...

Leia Mais!
Memórias e referências de escritores negros podem ser aliados na criação de conteúdos

Realizada dentro da programação da Biblioteca de São Paulo, a Oficina Online Escrever Memórias em Contos, Diários, Cartas e Poesia, com Maurina Lima Silva, visou apresentar (além de refletir sobre) questões relacionadas com a escrita de si, sugeridas pela leitura de textos de poetas, romancis...

Leia Mais!
Literatura pode ser cura?

Me peguei aqui pensando num meme que li salvo engano no fim do primeiro mês de pandemia. (Se nunca foi simples, o tempo por esses dias se mede com ainda mais dificuldade do que outrora.) Pois bem, nesse meme perdido, o autor ou autora, se é que meme tem autoria, dizia ter descoberto, nos dias em q...

Leia Mais!
Fábio Martinelli Casemiro compartilha dicas para criação de textos poéticos

Para o professor Fábio Martinelli Casemiro, a poesia é a arte que existe nas coisas. Definida como uma função de linguagem, ela tem sido refúgio para muitos, especialmente durante este período de enfrentamento da pandemia, para expressar sentimentos e sensações. Os mais de 30 participantes d...

Leia Mais!
O que jogos e literatura têm em comum?

As Olimpíadas, que acabaram sendo canceladas este ano por conta do enfrentamento da pandemia, foram a fonte de inspiração para a oficina de criação literária realizada no primeiro semestre de 2020 pela Biblioteca Parque Villa-Lobos. Intitulada “A Poesia do Jogo e o Jogo da Poesia”, a ativi...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC