/ governosp

Publicações | Destaques

Persona analfabeta

Foto: banco de imagem

Uma oficina de criação literária focada em analfabetos soa como para você? Se falamos de leitura e escrita, o que isso teria a ver com quem, justamente, não lê e tampouco escreve? Bem, o Brasil foi construído por trabalhadores majoritariamente analfabetos – contando povos ameríndios, africanos e europeus – que também habitam nossa literatura. 

Claro que cozinheiras, escravos, roceiros e operários nem sempre foram representados de modo positivo. Embora detentores de conhecimentos fundamentais ao sucesso econômico da pátria, não é difícil encontrar escritores imbecilizando uma preta velha – ela que preparou mingau para aqueles que seriam diplomatas e senadores – ou embrutecendo um violeiro – justo ele cheio de virtuosos ponteados e duetos afinados.

Mas houve quem reconhecesse no analfabeto fontes de conhecimentos, e não o tipo infecto a ser curado ou até eliminado da sociedade. Cornélio Pires revelou caipiras de fala aguda, dos mutirões organizados, leitores da fertilidade e beleza da terra. Manuel Bandeira ouviu a língua certa do sertanejo, sua capacidade de domar enchentes e arquitetar festejos coletivos. 

Na oficina “Analfabetos personagens da literatura: do estigma à vida”, Maurina Lima Silva discutiu autores que, como Conceição Evaristo e Itamar Vieira Jr.,  dão conta dessa vida oral comum a tantos brasileiros dignos. Depois de muitas campanhas para erradicar o analfabetismo, às vezes mal planejadas e baseadas em preconceitos, temos hoje cerca de 5% da população iletrada. Um outro país de homens e mulheres que, apesar de relevantes na sociedade, são pouco respeitados.

É essa identidade ignorada por diversas políticas públicas – quando desconsideram que cartilhas sobre covid-19 não serão lidas por todos – e até por intérpretes da nossa cultura – ao subestimarem eficiência e restrições das formas ágrafas de aprendizado – que pulsa registrada aqui em relatos, versos e narrativas para lá de comoventes. Uma reflexão necessária para o oito de setembro: Dia Mundial da Alfabetização.


Leia também

O Teatro além do Municipal

O projeto Literatura Brasileira no XXI destaca o dramaturgia modernista que, curiosamente, não constou do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, embora ocorrida num Teatro Municipal. A ausência no emblemático evento, no entanto, não fez do gênero algo menos relevante no concerto da artes bras...

Leia Mais!
Modernismos em rede

O projeto Literatura Brasileira no XXI traz a renovação modernista enquanto tecido nacional de escritores, revistas e ideias. Com a oficina “Modernismos pelo Brasil: as poéticas dos anos 1920”, Leandro Pasini mostrou a Semana de Arte Moderna de 1922 não como deslocamento da hegemonia cultural d...

Leia Mais!
Coral de gritos: música e canção

Seguindo com a Semana de Arte Moderna de 1922, o projeto Literatura Brasileira no XXI destaca, em março, a música, justamente no mês de aniversário de 135 anos de Heitor Villa-Lobos. Protagonista musical da Semana, o maestro e compositor foi destaque na oficina “Do Modernismo à Tropicália: dife...

Leia Mais!
Uma semana muitos ângulos

O projeto Literatura Brasileira no XXI segue abordando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22. A cada oficina de 2022 sempre um olhar renovado sobre o relevante evento. Evita-se, assim, narrativas romanescas – dois ou três gênios que decidiram o rumo das artes nacionais – ou mesmo anedóti...

Leia Mais!
Estação de chegada: 1922

O ano de 2022 carrega duas efemérides de peso: o bicentenário da Independência do Brasil e o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A primeira significa a rompimento com Portugal, antiga metrópole que se apossou e colonizou o país a partir de 1500.Uma ruptura controversa, evidente, pois qu...

Leia Mais!
E no Dia do Palhaço tem poesia

O Dia Universal do Palhaço é celebrado em 10 de dezembro. A palavra palhaço, com suas variantes, é tão presente quanto controversa em nossa cultura. Se essa figura, com sapatos maiores que os pés, é sinônimo de festa, também pode servir de ofensa. Por isso mesmo, o palhaço caminha feito a enc...

Leia Mais!