/ governosp
O videoclipe dá sua letra - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Destaques

O videoclipe dá sua letra

Freepik / Frimufilms.

Algumas pessoas vão olhar para essa oficina – “O lugar LGBTQIA+ no videoclipe brasileiro contemporâneo” – e não vão entender nada. Como assim videoclipe num site sobre “Literatura Brasileira no XXI”? Outras tantas, mais irônicas talvez, podem dizer que pelo menos o recorte temporal está correto: os clipes apresentados são todos desse século em que estamos. E se as pessoas irônicas forem também generosas, elas saberão que, às vezes, estar um pouquinho certo é o que basta. Contudo, é importante dizer, não é o caso aqui, e a Biblioteca Parque Villa-Lobos acertou na mosca quando encampou a oficina ministrada pelo professor Rodrigo Ribeiro Barreto. Não se trata sequer do tema, este sempre urgente, hoje como nunca. Ao trazer para o primeiro plano o lugar LGBTQIA+ numa mídia com tanto impacto quanto o videoclipe (que, ao contrário do que se pensa, vai muito bem, obrigado), Barreto apresenta também um processo de construção social de uma autoimagem própria, orgulhosa de si. Como se vê, nada mais adequado para o mês de junho. 


Mas não é só no tema que se acerta. Imaginar que literatura diga respeito apenas à palavra escrita é de uma restrição sem tamanho, equivocada já há algum tempo. As manifestações folclóricas de caráter oral, para ficar num exemplo mais fácil, também fazem parte do acervo literário brasileiro. É igualmente o caso dos slams, para trazer um exemplo urbano. Nesse sentido, os videoclipes são narrativas audiovisuais através das quais sentidos do mundo são disputados. E, como Barreto mostra, no espaço do videoclipe, ninguém soube fazê-lo tão bem quanto a comunidade LGTBQIA+.

Leia também

Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente ...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro tamb...

Leia Mais!
A poesia está morta

A poesia está morta, dizem por aí. Não rende na bolsa, não ajuda na infraestrutura precária em que vive uma parte considerável da população mundial, sequer aplaca as dores da alma — quando muito, as potencializa. Em suma, um desserviço. Contudo, a despeito do senso comum, não foi bem i...

Leia Mais!
O bloco das crônicas

Em razão científica, a pandemia também barrou a principal expressão de ruas e salões do país. Em 2021 o folião precisará pular nas páginas, correr atrás do trio elétrico da imaginação. O Carnaval faz falta, porque a diversão também é um direito do povo, porque é a festa mais democráti...

Leia Mais!
Ano Novo, novos leitores

Viradas de ano são simbólicas, mesmo que, mais das vezes, dia primeiro de janeiro não seja lá tão diferente assim do dia 31 de dezembro. Teme-se inclusive, e com bastante razão, que o ano que entra vá seguir o mesmo rumo do que o que vai se encerrando.Este site, contudo, talvez pela sua juventud...

Leia Mais!
No mês dos Direitos Humanos, lembramos que a leitura é um direito

Entramos no terceiro mês de site. E dezembro sempre chega carregado de reflexões. Vem com o balanço geral do ano e a data mais simbólica do ocidente. Para muitos, é hora de renovar a crença no Deus Menino. Para todos, é o momento de estar juntos, de repensar o fluxo da rotina. Como 2020 ecoará...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC