/ governosp
O bloco das crônicas - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Destaques

O bloco das crônicas

Foto: Equipe SP Leituras.

Em razão científica, a pandemia também barrou a principal expressão de ruas e salões do país. Em 2021 o folião precisará pular nas páginas, correr atrás do trio elétrico da imaginação. O Carnaval faz falta, porque a diversão também é um direito do povo, porque é a festa mais democrática do país. Pouco importa o dinheiro no bolso, quando a folia se espalha por calçadas e praças, todo estão convocados, ainda que só como rostos nas janelas.

O Carnaval é a festa do corpo que dança junto, este corpo na mira da Covid-19. Assim, é preciso preservá-lo, porque há muitos carnavais pela vida adentro. Mas se o corpo precisa de sossego, enquanto a vacina não chega de vez, a mente pede passagem. Como um dos fatores mais constitutivos da cultura brasileira, o Carnaval não poderia faltar como um dos destaques da nossa literatura desde sempre.

Tal evento, também objeto da sociologia e da antropologia, desfilou pela oficina “História e escrita de crônicas: um percurso pelo Carnaval a partir da produção cultural realizada no Brasil”. Uma verdadeira visita guiada por Danielle Crepaldi Carvalho, através de máscaras, perfumes, imagens e narrativas que povoaram e povoam o imaginário de gerações. E, de fato, dificilmente se explica ou se vivencia o Brasil sem entender o Carnaval enquanto fenômeno artístico, mas também religioso, comportamental, político e até econômico.

Neste Carnaval, você está convidado e curtir este bloco de crônicas, direto de nossa última oficina. Há enredos para muitos gostos, há seduções memoráveis, confissões inusitadas. Se “o importante é ser fevereiro”, como canta a letra do samba, ainda mais relevante é manter o corpo vivo e seguro. Enquanto o bloco da vacina não termina de passar, vamos ler estas deliciosas crônicas em serpentinas. E que elas nos inspirem a lembrar de nossos carnavais vividos na rua! E a ler a desfilar por tantos outros livros!


Leia também

Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro ta...

Leia Mais!
A poesia está morta

A poesia está morta, dizem por aí. Não rende na bolsa, não ajuda na infraestrutura precária em que vive uma parte considerável da população mundial, sequer aplaca as dores da alma — quando muito, as potencializa. Em suma, um desserviço. Contudo, a despeito do senso comum, não foi be...

Leia Mais!
Ano Novo, novos leitores

Viradas de ano são simbólicas, mesmo que, mais das vezes, dia primeiro de janeiro não seja lá tão diferente assim do dia 31 de dezembro. Teme-se inclusive, e com bastante razão, que o ano que entra vá seguir o mesmo rumo do que o que vai se encerrando.Este site, contudo, talvez pela sua juven...

Leia Mais!
No mês dos Direitos Humanos, lembramos que a leitura é um direito

Entramos no terceiro mês de site. E dezembro sempre chega carregado de reflexões. Vem com o balanço geral do ano e a data mais simbólica do ocidente. Para muitos, é hora de renovar a crença no Deus Menino. Para todos, é o momento de estar juntos, de repensar o fluxo da rotina. Como 2020 ecoa...

Leia Mais!
Novembro, mês da consciência negra

Nosso portal chega ao segundo mês de vida. Novembro está sob o signo da consciência que traz a contribuição afro-brasileira para o primeiro plano. Mas também a consciência dos fundamentos republicanos. Essas duas frentes são complementares, porque apontam para um país mais justo e autoconsc...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC