/ governosp
A poesia está morta - Literatura Brasileira no XXI

Publicações | Destaques

A poesia está morta

Foto: Equipe SP Leituras.

A poesia está morta, dizem por aí. Não rende na bolsa, não ajuda na infraestrutura precária em que vive uma parte considerável da população mundial, sequer aplaca as dores da alma — quando muito, as potencializa. Em suma, um desserviço. 

Contudo, a despeito do senso comum, não foi bem isso o que se viu na oficina ministrada por Érico Nogueira, "O poeta é um fazedor: ritmos antigos e versos contemporâneos", a mais recente novidade para o projeto Literatura Brasileira no XXI, que celebrou o dia mundial da poesia (21 de março para quem ainda não sabe).

O desafio é dos maiores, porque ata duas (dentre várias) pontas de um longo arco temporal, uma que se nutre de uma tradição antiga, latina, e outra mais nossa contemporânea. O combinado, como não poderia deixar de ser, é instigante porque nem o passado nem o presente saem os mesmos, renovados e amadurecidos ambos. 

E pra quê isso tudo?, há de se perguntar o cético.  Cada participante da oficina tem sua própria resposta, mas certamente nenhuma delas há de satisfazer o nosso senso comum dessensibilizado — o que só nos enche de alegria. A poesia está morta! Vida longa à poesia!

Leia também

Minicontos de trabalho

O trabalho é um conhecido tema literário. Poemas da antiguidade latina tratam das lidas com a terra. Passagens bíblicas dão conta de serviços domésticos. Cartas do início da colonização lusa falam da mão de obra indígena. Com a industrialização e urbanização do ocidente...

Leia Mais!
Quem quer brincar de livro?

Livros costumam ser caixinhas de surpresas sensoriais e imagéticas. Em aulas, estudos ou leituras compartilhadas, comentamos muito a narrativa ou a temática de um volume. Falamos, ainda, da forma desse conteúdo, se é bonito ou feio, estranho ou agradável, tocante ou engraçado.Mas livro ta...

Leia Mais!
O bloco das crônicas

Em razão científica, a pandemia também barrou a principal expressão de ruas e salões do país. Em 2021 o folião precisará pular nas páginas, correr atrás do trio elétrico da imaginação. O Carnaval faz falta, porque a diversão também é um direito do povo, porque é a festa mais democr...

Leia Mais!
Ano Novo, novos leitores

Viradas de ano são simbólicas, mesmo que, mais das vezes, dia primeiro de janeiro não seja lá tão diferente assim do dia 31 de dezembro. Teme-se inclusive, e com bastante razão, que o ano que entra vá seguir o mesmo rumo do que o que vai se encerrando.Este site, contudo, talvez pela sua juven...

Leia Mais!
No mês dos Direitos Humanos, lembramos que a leitura é um direito

Entramos no terceiro mês de site. E dezembro sempre chega carregado de reflexões. Vem com o balanço geral do ano e a data mais simbólica do ocidente. Para muitos, é hora de renovar a crença no Deus Menino. Para todos, é o momento de estar juntos, de repensar o fluxo da rotina. Como 2020 ecoa...

Leia Mais!
Novembro, mês da consciência negra

Nosso portal chega ao segundo mês de vida. Novembro está sob o signo da consciência que traz a contribuição afro-brasileira para o primeiro plano. Mas também a consciência dos fundamentos republicanos. Essas duas frentes são complementares, porque apontam para um país mais justo e autoconsc...

Leia Mais!
Ouvidoria Transparência SIC